PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

A Contech, em parceria com a MACtec®, traz com exclusividade para o mercado brasileiro o BULLET Wirelees HART ® e também a Interface para configuração dos instrumentos HART® e Viator USB HART®.

O Transmissor de Temperatura com protocolo Hart Entrada e saída Universal configurável e montagem em cabeçote também é um lançamento da Contech.

Unidade de Controle de Campo – CTH- VECTOR

Descrição

O CTH-VECTOR é uma unidade de controle de campo de última geração que funciona como um terminal de controle integrado e visor OLED, para a linha de detectores de gás da Contech. A unidade de controle de campo (FCU- Field Control Unit) CTH-VECTOR pode ser instalado remotamente até 150 metros do local de instalação de um detector de gás. O detector também pode ser ligado diretamente ao CTH-VECTOR tornando uma unidade de detector / monitor unificado.

CARACTERÍSTICAS

A Serie CTH-VECTOR com sensores PGU foi concebido para detectar gases tóxicos e combustíveis com precisão e segurança. Uma gama de gases tóxicos, incluindo sulfeto de hidrogênio podem ser monitorados com sensores eletroquímicos, catalítico e por foto ionização, gases combustíveis com sensores infra vermelho.
Principais características:

– Configurável para controlar e monitorar até 02 detectores.
– Tela OLED de 2.7” (diagonal) com resolução de 128×64. Exibe uma ampla gama de dados, incluindo concentrações de gás, níveis de alarme, falhas e modos operacionais.
– Saída analógica 4‐20 com HART, RS‐485 Modbus RTU, e 4 relés programáveis e 01 relé de falha.
– Calibração não intrusiva do detector no local através de um comunicador de campo HART ou bastão magnético.
– O log de eventos é armazenado na memória interna e acessível via RS-485 Modbus RTU.
– Temperatura de operação na faixa de ‐50⁰C a 75⁰C.
– Certificação SIL por uma agência terceira.
– Construído em aço inoxidável 316, invólucro à prova de explosão, Classe 1, Divisão 1
– Interface não intrusiva com o menu operacional exibido no display OLED, utilizando bastão magnético.
– LED de status de três cores indica o modo operacional, falha, presença de gás, modo de calibração e nível de alarme.

Especificação:
– Voltagem: 18 a 32 Vcc;
– Consumo: < 2 W em repouso e < 5 W em alarme; - Umidade: % 0 ~ 100% não condensado; - Temperatura de operação: - 40 °C ~ 75 °C; - Grau de proteção: IP 67; - Material do invólucro: aço inoxidável 316;

APLICAÇÕES

.- Plataformas offshore;
.- Navios-tanque, cargueiros e outras embarcações;
.- Processamento de GN / GLP e instalações de armazenamento;
.- Refinarias de petróleo e gás;
.- Plantas petroquímicas, entre outras.

BENEFÍCIOS

Sensor de Gás Modelo CTH-PGU:

Os sensores universais PGU operam com a faixa de temperaturas de -40 a 75°С e umidade relativa de até 100% (não condensado), grau de proteção IP 66, tensão nominal 24 Vcc (+18 / 32Vcc) e, podem ser eletroquímico (PGU-E), infravermelho (PGU-IR), fotoionizado (PGU-P) e catalítico (PGU-C).

CTH-PGU-E Eletroquímico:
O sensor eletroquímico é calibrado par um gás específico.

*Tempo de resposta: intervalo de tempo, com o equipamento na condição aquecido, entre o tempo no qual uma variação instantânea entre o ar limpo e um gás-padrão, ou vice-versa, é produzida na entrada do equipamento e o instante em que ele responde, atingindo uma porcentagem específica (x) do sinal estabilizado no gás-padrão de ensaio. **Alguns sensores têm faixas variadas, e uma delas é determinada pelo usuário durante o início da calibração.

O sensor CTH-PGU-P contém eletrodo em contato com um eletrólito. O gás-alvo é difundido no sensor por meio de uma membrana e entra em contato com os eletrodos, onde é oxidado. A reação eletroquímica resulta em uma corrente elétrica que passa para o micro controlador e, de lá, para o receptor CTH-Vector. A magnitude da corrente é controlada pela quantidade de gás-alvo que é oxidado pelo eletrodo. A saída da corrente do sensor também tem linearidade proporcional à concentração de gás. Uma saída linear permite uma medição mais precisa das concentrações baixas e uma calibração muito mais simples.

CTH-PGU-P Fotoionização:
O sensor por fotoionização é calibrado par um gás específico.
*Tempo de resposta: intervalo de tempo, com o equipamento na condição aquecido, entre o tempo no qual uma variação instantânea entre o ar limpo e um gás-padrão, ou vice-versa, é produzida na entrada do equipamento e o instante em que ele responde, atingindo uma porcentagem específica (x) do sinal estabilizado no gás-padrão de ensaio. **Alguns sensores têm faixas variadas, e um deles é determinado pelo usuário durante o início da calibração.
Observação: Todos os gases com potencial de ionização de < 10,6 eV. O CTH-PGU-P realiza a detecção seletiva das moléculas de hidrocarboneto utilizando uma luz de infravermelho e detectores de fotoionização (PID). O ar que contém moléculas do gás combustível selecionado passa por uma câmara de coleta que têm uma fonte e um detector IV. As moléculas que contém gás combustível absorvem os fótons IV e se tornam ionizadas. As moléculas ionizadas criam uma corrente elétrica que é medida pelo detector. A corrente elétrica aumenta conforme a quantidade de moléculas de gás na câmara aumenta. A corrente é medida e processada pelo sensor CTH-PGU-P, gerando os sinais que são passados ao receptor CTH-Vector pelo RS-485. Cada detector é um fator programado para o gás solicitado pelo cliente no momento da compra. CTH-PGU-IR Infravermelho: O sensor de absorção infravermelho é calibrado par um gás específico. *Tempo de resposta: intervalo de tempo, com o equipamento na condição aquecido, entre o tempo no qual uma variação instantânea entre o ar limpo e um gás-padrão, ou vice-versa, é produzida na entrada do equipamento e o instante em que ele responde, atingindo uma porcentagem específica (x) do sinal estabilizado no gás-padrão de ensaio. **Alguns sensores têm faixas variados, um destes é determinado pelo usuário durante o início da calibração. O funcionamento do CTH-PGU-IR tem como base a interrupção do sinal seletivo por moléculas de hidrocarboneto quando uma fonte de luz de infravermelho é projetada em um detector óptico. A medição para um gás específico é determinada pela passagem da energia do IV através do filtro colocado entre a fonte e a câmara onde o gás é coletado. Se não houver gás, o detector receberá toda a energia irradiada pela fonte de IV e gera uma corrente elétrica. Quando as moléculas de gás entram na câmara de coleta, cada molécula do gás bloqueia a energia do IV, reduzindo a saída do detector, que é processada pelo sensor CTH-PGU-IR. Cada detector é entregue com um pré-ajuste para um gás específico; no exemplo exibido, o gás é o metano (CH4), que é ionizado em dois pontos no espectro de luz, um para cada elemento atômico, e são medidos como números de onda (cm-1). CTH-PGU-C Catalítico: Utilização do sensor catalítico (pelistor) especificamente para a detecção de hidrogênio *Tempo de resposta: intervalo de tempo, com o equipamento na condição aquecido, entre o tempo no qual uma variação instantânea entre o ar limpo e um gás-padrão, ou vice-versa, é produzida na entrada do equipamento e o instante em que ele responde, atingindo uma porcentagem específica (x) do sinal estabilizado no gás-padrão de ensaio. ** Todos os dados fazem referência ao sensor catalítico conforme testado com gás H2 de uma fonte aprovada. Os dados do sensor exibidos têm como base um ambiente de teste ideal sem a interferência de outros gases O sensor de anel catalítico CTH-PGU-C, oxída o gás alvo na superfície de um filamento de alumina aquecido. O calor resultante da combustão gera uma alteração na resistividade do elemento que é diretamente proporcional à concentração de gás. Um metal precioso catalisador é embutido na superfície do filamento de alumina para abaixar a temperatura de oxidação. Dois fios de ligação são embutidos no filamento de alumina e conectados eletricamente em um circuito de ponte de Wheatstone. O calor é gerado ao passar corrente através dos condutores.

 

 

BLOG

automacao-Industrial

Saneamento e a importância da instrumentação como parte vital da automação Industrial

Para todos os setores da indústria realizar o saneamento de maneira correta é vital, assim como a utilização da instrumentação correta para automatizar processos de detecção, medição ou alteração de variáveis.   Grande parte desses sistemas é composto por medidores…

Leia mais

 

OUTROS PRODUTOS

Chave de Nível Pendular tipo Pêra

Características | Chave de Nível Tipo Bóia Pendular • Omnidirecional; • Totalmente selada; • Contato SPDT; • Contatos em prata ou oxido de cadmiun. A chave de nível tipo boia pendular é utilizada para medição de nível nos mais diversos tipos de líquidos. Sua principal…

Macromedidor tipo turbina de inserção para líquidos IP 201

Características | Macromedidor de Vazão Tipo Roda d’água de Inserção • Acoplados diretamente a tubulação por tap de 2” ou luva para solda; • Invólucro Nema 4, Nema 7 ou à prova de explosão; • Para medição de vazão em líquidos; • Sinal de saída:…

Chave de Fluxo tipo Termal

Características | Chave de Fluxo Thermal   • O corpo da Chave de Fluxo Thermal SP200/SP210 é feito de aço inoxidável, capas de suportar alta pressão e temperatura • Por possuir estrutura robusta e não apresentar partes móveis, é indicada…

CATÁLOGOS - DOWNLOAD

 

 

SOBRE A CONTECH

A Contech está desde 1.991 no mercado brasileiro e internacional fabricando e desenvolvendo equipamentos eletrônicos que visam atender processos de medição de vazão e controle de nível. Seu grande diferencial é ter o departamento de engenharia de aplicação que está treinado para atender o cliente em suas necessidades de especificação de produtos. A empresa possui uma grande variedade de medidores de vazão, chaves de nível e de fluxo, transmissores de nível e de pressão e muitos outros. Além de produtos de fabricação própria, a Contech mantém parceria com empresas estrangeiras de primeira linha na área de medição e nível, como a Brooks e a Vortek. Seus clientes vêm dos mais diversos mercados: saneamento, siderurgia, químico, petroquímico, açúcar e álcool, papel e celulose, alimentício e muitos outros.